Fundamentos Básicos de Direcção Coral e Instrumental

por

Henrique Piloto

Sábado, 26 de Janeiro de 2008

das 10:00h às 13:00h e das 14:30h às 16:30 h

Escola Superior de Educação do Porto

(Edifício da Música)

Destinatários da acção Este curso destina-se a todos os professores de música, qualquer que seja a sua área de leccionação, mas sobretudo àqueles que por necessidades de ordem variada tenham que recorrer à géstica como meio para obter uma homogeneidade sonora no grupo quer seja vocal, instrumental ou misto. Também podem participar todos os interessados em desenvolver ou aperfeiçoar conhecimentos nesta área.

Duração 5 horas

Objectivos Transmitir bases fundamentais para um bom domínio e clareza do gesto, da respiração, da linguagem e da técnica de ensaio. Exprimentar a géstica de direcção no sentido da clareza e da legibilidade para o executante.

Programa Serão trabalhados os seguintes aspectos da técnica de direcção: 1. Marcação de diversos tipos de compassos, a independência das mãos, entradas (anacrusa, contratempo, etc.) e vários tipos de suspensões; 2. Exploração dos contrastes de dinâmica, acentos, reguladores de intensidade; 3. Marcação de uma partitura; 4. Noção de quadratura; 5. Análise e interpretação da frase no contexto da execução.

Material Será necessário trazer lápis, borracha, lápis azul e vermelho. Batuta (opcional). Trazer um instrumento e se possível uma estante.

Henrique Piloto Maestro titular da Orquestra de Câmara de Sintra e da Nova Orquestra de Lisboa. É formado em Direcção de Orquestra pela Academia Nacional Superior de Orquestra. Possui a licenciatura em Direcção Coral da Escola Superior de Música de Lisboa e o Curso de Canto Gregoriano do Instituto Gregoriano de Lisboa. Dirigiu a Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Académica Metropolitana, Orquestra de Câmara de Macau, Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra da Musikskola de Ümea (Suécia) e o Oratory Choir of Hong Kong. Foi elemento fundador do Coro Gregoriano de Lisboa, e do Coro Syntagma Musicum. Estudou com Christopher Bochmann, Jean-Marc Burfin e Jean-Sébastian Bérau. A convite do Instituto Cultural de Macau reside e trabalha neste território entre 1997 e 2001 dirigindo a Orquestra de Câmara de Macau. Faz várias digressões pela China tendo dirigido em diversos festivais, nomeadamente no V Festival de Artes da China em Chengdu, no I Festival de Música de Pequim e no Festival de Artes de Shanghai, dirigindo música de compositores Portugueses. Ainda na China grava o “Concerto em Ré Maior para cordas” de Joly Braga Santos. Dirige na cerimónia de transferência de autonomia de Macau para a China e é convidado a participar no I Orchestra Sumit no Japão para maestros residentes na Ásia. De regresso a Portugal é convidado a leccionar as classes de orquestra na Escola de Música do Conservatório Nacional, na Escola de Música N. Sra do Cabo, no Conservatório Metropolitano de Lisboa e na Academia de Música de Sta.Cecília. Ministra ainda estágios de orquestra em Viana do Castelo, Leiria e Lisboa. É convidado pelo Instituto Gregoriano a dirigir os seus coros em Festivais de Orgão na Sé de Lisboa e pelo Sintra Estúdio de Ópera a dirigir a ópera “A Vingança da Cigana” de Leal Moreira. Dirigiu a peça “Peer Gynt” de Erik Ibsen, com música original de Eurico Carrapatoso no Teatro Aberto a convite do próprio compositor. Tem-se apresentado como maestro em Portugal, Espanha, França, Suécia, China e Japão.

Descarregar folheto com ficha de inscrição e contactos:

fpiloto_porto_jan_o8