De A a Z para a Música na Educação

De A a Z para a Música na Educação por... Nuno Cintrão

Nuno Cintrão

Nuno Cintrão

Músico, Guitarrista, Compositor, Performer.

Divide a sua atividade profissional entre a performance e a educação.

A sua atividade artística e pedagógica tem sido pautada pela procura de pontos de contacto entre diferentes formas de expressão artística e criativa e a realização de projetos em diferentes contextos.

Interessa-se pela experimentação e construção de objectos sonoros e a concepção de espectáculos colaborativos e multidisciplinares.

É licenciado em guitarra clássica, pela Escola Superior de Música de Lisboa e em Educação Musical pela Escola Superior de Educação de Lisboa. Em 2017 concluiu o Mestrado em Ensino de Música no ISEIT-Almada.

Ao longo do seu percurso tem tido a oportunidade de colaborar com artistas de diferentes áreas de expressão artística. Desde 2010 que compõe música para teatro, vídeo e dança tendo colaborado com diversas companhias e artistas. Destas colaborações destacam-se a Byfurcação Teatro, Companhia da Esquina, Musgo, Créme de La Créme e Aldara Bizarro.

Tem concebido e realizado workshops , formações e espectáculos junto de várias entidades, das quais se destacam : Fábrica das artes- CCB, Fundação Calouste Gulbenkian, Associação Portuguesa de Música nos Hospitais, Fórum Dança, Fundação do Gil, Operação Nariz Vermelho, CFMI- Universidade March Bloch Strasbourg, APEM- Associação Portuguesa de Educação Musical.

Fez parte do projeto "Música nos Hospitais" com o qual trabalhou como músico e formador até 2013, realizando intervenções musicais e em Hospitais e diferentes instituições de cariz social.

Divide o seu interesse entre a guitarra e outros objetos sonoros, procurando a sua linguagem musical no universo da música improvisada e experimental, passando pelas músicas do mundo, erudita, jazz e rock.

Enquanto guitarrista tem colaborado com diferentes projetos, de entre os quais se destacam: Trama, Ana Barroso e mais recentemente com Teresa Salgueiro (ex-Madredeus).

Para além de Portugal, teve a oportunidade de apresentar os seus projetos em Cabo Verde, Macau, Bélgica, Hungria, Alemanha, Brasil , Itália e Espanha.


Clique no seguinte link para ler este A a Z:

A

de APMHIS (Associação Portuguesa de Música nos Hospitais).

Tive a grande sorte de ver nascer este projeto em Portugal e trabalhar muitos anos com a "Música nos Hospitais".
Mudou completamente a minha relação com a música, com o som e a minha visão sobre o papel da música para o ser humano. Tenho certeza que o que aprendi neste projeto teve um impacto tão profundo em mim que passados 15 anos todas as ferramentas que descobri na altura ainda têm muita influência no meu trabalho atual. Mais info sobre o projeto em www.musicanoshospitais.wixsite.com/apmhis.

B

de BATUCAR.

Quem batuca seus males espanta. Tudo é ritmo e todo o objeto merece ser batucado.

C

de COMPOR.

É uma atividade essencial para consolidar, aprender e descobrir mais acerca das estruturas da música. É algo que gosto muito de fazer.

D

de DESAFIO.

O desafio faz-nos crescer e sair da nossa zona de conforto. Evoluímos quando nos desafiamos.

E

de ENTUSIASMO.

Tudo é melhor com entusiasmo!

F

de FUZEAU.

A Fuzeau (www.fuzeau.com) é uma marca francesa especializada em educação musical. É uma perdição pela variedade do catálogo que vai desde livros a instrumentos.

G

de GÉMEOS.

Esta palavra ganhou novo significado para mim há 5 anos. Desde aí o mundo e a vida passou a ser duplamente melhor! Pais de gémeos uni-vos!:)

H

de HUMANIDADE.

Somos humanos, sejamos humanos. É óbvio mas não linear. Humanidade acima de tudo.

I

de IDEIAS.

Uma estratégia que utilizo diariamente e procuro transmitir é que na fase inicial qualquer processo criativo não devemos criticar ou descartar ideias. Muitas vezes uma ideia menos boa dá origem a outras melhores e o ato de gerar ideias melhora com o treino. Gosto de partilhar mesmo as ideias mais disparatadas para ver se dão em alguma coisa. Para quem tem muitas ideias é sempre bom registá-las (gravar ou escrever) para as revisitar mais tarde, a sensação de deixar fugir uma boa ideia não é agradável!

J

de JOHN CAGE.

A propósito de John Cage proponho que a sua obra "4,33" faça parte do currículo em todas as escolas e seja "tocada" frequentemente!

K

de K7.

Muitas horas passadas a ouvir K7´s e a rebobiná-las para ouvir a música preferida. Lembro-me de uma que ouvi vezes sem conta, a do álbum "Tubular Bells" do Mike Oldfield.

L

de de MINIMALISMO.

Gosto do minimalismo do Steve Reich, do Philip Glass, da música africana e de muitas outras músicas. Há algo na repetição e na sensação que provoca que me cativa. Do ponto de vista da educação musical estas Músicas podem (devem) ser exploradas vezes sem conta.

M

de MAX VANDERVORST.

É um músico, compositor e inventor de instrumentos Belga, que vale a pena conhecer!

N

de NULLE. MUSIQUE DE NULLE PART.

É um projeto do músico Nicolas Bras, também, construtor e inventor de instrumentos . Vale a pena espreitar o canal de Youtube onde ensina a construir alguns dos instrumentos.

O

de OUVIR.

"Ouça para um mundo melhor"! Ouvir os sons, ouvir os outros , ouvir-nos. Pratiquemos a escuta!

P

de PRATICAR.

Falando em praticar.... A prática (treino) é o grande segredo de alguém que faz uma coisa mesmo bem! Não há alternativa a isto, às vezes é chato, dá trabalho, mas seguramente vale a pena. Nem sempre esta relação entre a prática e o resultado é clara para todos (sobretudo para os alunos). A ideia de talento está tão enraizada que quase que acreditamos que ele existe sem trabalho.

Q

de QUESTIONAR.

Eu gosto de fazer perguntas. A forma como questionamos (perguntamos) determina se as respostas que obtemos são ou não uma mais valia para nós. A competência de saber formular perguntas também se aprende e treina. Tenho a certeza que é fundamental para todos nós.

R

de REPETIR.

Falando em praticar parte 2. Precisamos de repetir para aprender. Repetir para aprender. Repetir para aprender. Repetir para aprender. Mas, repetir bem. Repetir bem. Repetir bem. Olhar criticamente para repetir e identificar as dificuldades. Identificar as dificuldades. E encontrar solé, soli, sola, solo, soluções que funcionem. :) E então , aprendemos.

S

de SCHAFER.

Murray Schafer compositor e pedagogo nascido no Canadá é para mim uma grande influência sobretudo no trabalho de escuta e de exploração sonora. Tem uma bibliografia que vale a pena explorar.

T

de TOWNER.

Ralph Towner, guitarrista, pianista e compositor. É um dos meus músicos favoritos. Recomendo para começar o álbum de 1973 "Diary".

U

de UPS...

Toda a gente se engana e podemos aprender muito e gerar muitas ideias com os erros. Esta é uma ideia que considero fundamental transmitir em contexto de educação.

V

de VER...

A "ver também de aprende". O exemplo é fundamental no ensino e na aprendizagem e "uma imagem vale mais que mil palavras".

X

de WALTER THOMPSON.

Criador do Soundpainting, uma linguagem de composição em tempo real utilizando gestos. Costumo utilizar adaptações do soundpainting em diferentes contextos e é sempre muito eficaz no foco da atenção do grupo e no trabalho da criatividade em contexto de grupo Para mais info: www.soundpainting.com.

X

de EXPETATIVA.

A expetativa liga bem com entusiasmo e a surpresa. Quando bem misturados são uma combinação imbatível para a motivação.

Y

de MAKEY MAKEY .

O makey makey é uma espécie de microcontrolador que permite por exemplo criar um piano utilizando bananas. Já utilizei diversas vezes em contexto de espetáculo e de sala de aula.Vale a pena conhecer ! Existem muitos vídeos no youtube ou podem ver o site oficial www.makeymakey.com.

Z

de ZINN.

John Kabat Zinn é um médico americano que foi um dos responsáveis por trazer a prática da meditação Mindfulness para o Ocidente e pela investigação científica sobre os seus efeitos. Hoje em dia já há projetos de mindfulness em contexto de educação que têm tido resultados muito positivos. Possui uma bibliografia que vale a pena explorar aqui fica a sugestão de "Wherever You Go, There You Are: Mindfulness Meditation in Everyday Life".

Mostrar mais

A APEM

A Associação Portuguesa de Educação Musical, APEM, é uma associação de caráter cultural e profissional, sem fins lucrativos e com estatuto de utilidade pública, que tem por objetivo o desenvolvimento e aperfeiçoamento da educação musical, quer como parte integrante da formação humana e da vida social, quer como uma componente essencial na formação musical especializada.

Cantar Mais

Cantar Mais – Mundos com voz é um projeto da Associação Portuguesa de Educação Musical (APEM) que assenta na disponibilização de um repertório diversificado de canções (tradicionais portuguesas, de música antiga, de países de língua oficial portuguesa, de autor, do mundo, fado, cante e teatro musical/ciclo de canções) com arranjos e orquestrações originais apoiadas por recursos pedagógicos multimédia e tutoriais de formação.

Saiba mais em:
http://www.cantarmais.pt/pt

Newsletter da APEM

Caros sócios, A APEMNewsletter de março acaba de ser publicada e encontra-se disponível para visualização no site da APEM.
Clique na imagem em cima para ter acesso à mesma.

Apoios:

 República Portuguesa
Fundação Calouste Gulbenkian

Contactos:

apem associação portuguesa de educação musical

Praça António Baião 5B Loja
1500 – 712 Benfica - Lisboa

  21 778 06 29

  932 142 122

 Envie-nos um email


©  Associação Portuguesa de Educação Musical

©  Associação Portuguesa de Educação Musical